30/05/2012

Lula afirma que 'tem que tomar cuidado' com minoria que não gosta dele


Share/Bookmark

Ex-presidente também falou que crise é falta de gestão política e criticou a imprensa

Ricardo Brito, da Agência Estado

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva evitou nesta quarta-feira, 30, mais uma vez falar com a imprensa e entrar na polêmica que se envolveu desde o último final de semana com o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, sobre o julgamento do processo do mensalão. Ao participar do 5º Fórum Ministerial de Desenvolvimento, em Brasília, Lula fez apenas uma referência aos que não gostam dele. "Vou falar em pé senão podem dizer que estou doente, para evitar esses dissabores. Você sabe que eu tenho muita gente que gosta (de mim) e alguns que não gostam. Então, eu tenho que tomar cuidado contra esses daí que são minoria e estão aí no pedaço", disse o ex-presidente logo no início do seu discurso.
Discurso de Lula durou uma hora e sete minutos; recomendação médica era falar por 15 minutos - Dida Sampaio/AE
Dida Sampaio/AE
Discurso de Lula durou uma hora e sete minutos; recomendação médica era falar por 15 minutos

Lula aproveitou o evento para fazer comentários sobre a crise econômica e disse que solução não é diminuir o consumo ou tomar medidas econômicas de austeridade. Ele disse que o problema da crise atual é de falta de gestão política. O ex-presidente fez um discurso em que sugeriu às nações desenvolvidas que tomassem medidas de ampliação de consumo e de inclusão de outros mercados consumidores como a África e América Latina.

O ex-presidente aproveitou ainda a ocasião para criticar a imprensa que, segundo ele, não tem tirado "a bunda da cadeira" para verificar as transformações sociais obtidas no seu governo e no início do mandato da presidente Dilma Rousseff.
Ele também saiu em defesa da ex-ministra da Casa Civil Erenice Guerra. O ex-presidente disse que, na primeira audiência de um processo que a envolve na Justiça de Brasília, a testemunha contra a ex-ministra (que ele não revelou quem é) retirou a acusação que tinha contra ela. Ele observou que não houve nenhuma "nota de rodapé" nos jornais. Erenice Guerra deixou o governo Lula em setembro de 2010, depois de acusações de tráfico de influência.

Lula chegou ao evento às 17h27, no carro da ministra do Desenvolvimento Social, Tereza Campello, e não falou com a imprensa. Dez minutos depois começou seu discurso que, embora tenha uma recomendação médica, segundo ele, para que sua fala durasse 15 minutos, foi de uma hora e sete minutos.

Esse foi o segundo compromisso da agenda de Lula em Brasília nesta quarta-feira. Mais cedo, ele almoçou com a presidente Dilma Rousseff no Palácio da Alvorada.