23/02/2012


Share/Bookmark

O pastor evangélico Youssef Nadarkhani foi preso, acusado de abandonar a fé islâmica. Decisão da justiça iraniana provocou indignação internacional.

Uma decisão da justiça do Irã provocou indignação internacional e protestos de defensores da liberdade de religião. Um homem que se converteu ao cristianismo foi condenado à morte.
Youssef Nadarkhani foi preso em 2009 porque não quis que os filhos estudassem o livro sagrado dos muçulmanos - o Alcorão.
Ele se tornou cristão aos 19 anos de idade e três anos depois, já pastor evangélico, fundou uma pequena comunidade cristã na cidade de Rasht, a noroeste de Teerã.
Nadarkhani foi preso, acusado de abandonar a fé islâmica, e recebeu a sentença máxima: morte por enforcamento.
Durante três anos, o caso foi examinado por cortes superiores iranianas. A esposa de Nadarkhani também foi detida, chegou a ser condenada à prisão perpétua, mas depois foi solta. O pastor, por três vezes, recebeu proposta de abandonar o cristianismo e voltar para o islã, em troca da suspensão da pena de morte. Youssef Nadarkhani não aceitou.
Segundo o Centro Americano de Lei e Justiça - uma organização que defende a liberdade religiosa nos Estados Unidos e acompanha o caso de Youssef - a sentença foi confirmada pelo governo iraniano e a ordem de execução foi dada.
Jordan Sekulow, diretor do centro, vem divulgando em um programa de rádio a perseguição contra Nadarkhani.
"Não sabemos se ele ainda está vivo nesse momento" diz Sekulow. "A ordem de execução não é divulgada publicamente. A única coisa que pode salvar Nadarkhani", ele diz "é a pressão internacional, principalmente de países como o Brasil, que tem boas relações diplomáticas com o Irã".

Hugo Chávez viaja a Cuba para realizar cirurgia na semana que vem


Share/Bookmark

Assembleia Nacional aprovou, por unanimidade, permissão solicitada pelo presidente para viajar

Efe
CARACAS - O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, viaja nesta sexta-feira, 24, a Havana para se submeter a uma nova operação, provavelmente na segunda ou na terça-feira, no mesmo local onde lhe foi extirpado um tumor maligno em junho passado.
'Parto para uma nova batalha na qual também vencerei', disse o líder em uma reunião - Marcelo Garcia/AP
Marcelo Garcia/AP
'Parto para uma nova batalha na qual também vencerei', disse o líder em uma reunião
"Lá estarei, Fidel (Castro). Parto para uma nova batalha na qual também vencerei", disse o líder em uma reunião do Conselho de Ministros, transmitida em cadeia obrigatória de rádio e televisão, referindo-se ao líder cubano.
Viajem aprovada
A Assembleia Nacional da Venezuela aprovou, por unanimidade, a permissão solicitada pelo presidente para viajar à Cuba.
O deputado de oposição Alfonzo Marquina argumentou que, "se o presidente decidiu continuar tratando sua doença, sua enfermidade, com os médicos que já o trataram, todos nós da bancada opositora vamos votar a favor".
O primeiro vice-presidente do Congresso, o deputado Aristóbulo Istúriz, disse, por sua vez, que "cada paciente tem direito de escolher seu médico, este é um direito humano".
Chávez anunciou que será submetido novamente a uma cirurgia para extrair "uma lesão" de dois centímetros no mesmo local onde retiraram um tumor maligno em junho de 2011. "Voltarei como sempre, com mais alegria e decisão, para tomar meu cargo", disse o mandatário durante a leitura de sua solicitação.

22/02/2012

Grupo de partidários do governo equatoriano inicia campanha contra a imprensa mundial


Share/Bookmark
Por Liliana Honorato/AP 
Um grupo de partidários do governo equatoriano, chamado correistas.com, iniciou umacampanha contra a imprensa mundial, que tem criticado o presidente do país, Rafael Correa, por suas diversas ações contra as liberdades de imprensa e expressão, informou a ONG equatoriana Fundamedios.
A campanha, intitulada "Chega de tantos ataques contra o Equador", é apoiada por pessoas ligadas ao governo, como o Secretário de Administração Pública, Vinicio Alvarado, para quem não se pode "permitir que os interesses de certa imprensa manchem, a nível mundial, a imagem do Equador", explicou a Fundamedios em comunicado.
Por outro lado, a Embaixada do Equador na Espanha mandou uma carta aos veículos de comunicação espanhóis, pedindo que eles respeitem a decisão da Corte Nacional de Justiça do Equador no caso do diário El Universo, acrescentou a EFE. A embaixadora Aminta Buenaño disse na carta que a liberdade de expressão "não é um direito absoluto que se impõe sobre o direito à honra", acrescentou a EFE.
Correistas.com também mantém uma página no Facebook, com mais de 125 mil seguidores, chamada “Os honestos são MAIORIA e votaremos SIM”. “Acreditamos, apoiamos e fortalecemos os processos democráticos que estão fazendo história" no Equador, diz a página.

Brasil financiará programa de compra de alimentos em cinco países da África


Share/Bookmark

País vai doar US$2,37 milhões para projeto, o 1º do brasileiro José Graziano à frente do Fundo das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO); acquisição fica a cargo da entidade

Lisandra Paraguassu, de O Estado de S.Paulo
BRASÍLIA - O Brasil vai financiar um novo programa criado pelo Fundo das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO, na sigla em inglês), dirigido pelo brasileiro José Graziano. O acordo, assinado na terça-feira em Roma, prevê uma doação de US$2,37 milhões para uma ação local de compra de alimentos em cinco países africanos a ser administrada pela FAO e pelo Programa Alimentar Mundial (PAM), órgão da ONU responsável pela resposta emergencial a crises de fome.
O novo programa, a primeira proposta da gestão de Graziano, iniciada em janeiro, tem como base o programa brasileiro de compra de alimentos, parte da estratégia Fome Zero, criada quando Graziano era ministro do governo de Luiz Inácio Lula da Silva. Quando assumiu a FAO, depois de uma intensa campanha do governo brasileiro para emplacar seu nome, Graziano afirmou que queria levar para o órgão as políticas brasileiras. Conseguiu também o financiamento.
A intenção do novo programa é financiar a produção local de pequenos agricultores na Etiópia, no Malaui, em Moçambique, Níger e Senegal por pelo menos 18 meses. A FAO, no entanto, pretende obter mais recursos além do dinheiro brasileiro para manter o programa.
Do total a ser doado pelo Brasil, o órgão receberá US$ 1,55 milhões para ajudar os pequenos agricultores a melhorar sua produção, oferecendo sementes e fertilizante e tentando organizá-los em cooperativas para processar e vender suas colheitas. Já a PAM receberá outros US$ 800 mil para preparar a compra dos produtos e fazer sua distribuição para escolas e os famílias de baixa renda.
Além dos recursos, o Brasil também oferece a expertise para a montagem do programa, todo ele baseado no Programa Nacional de Aquisição de Alimentos, que garante a compra a preços de mercado para os pequenos agricultores - hoje cerca de 100 mil são fornecedores do PAA, especialmente de grãos, carnes, pescados e sementes. No Brasil, a aquisição é feita pelo governo, que então repassa os produtos para restaurantes populares, cozinhas comunitárias ou para distribuição de cestas básicas.
Os cinco países selecionados para começar o programa já haviam demonstrado interesse em copiar o modelo brasileiro. A intenção da FAO é que, passado esse primeiro momento, os governos locais assumam a compra dos alimentos como faz o Brasil.

Em vídeo divulgado por site ligado ao PSDB, militante tucana defende prévias e critica Serra: ‘ele está sendo palhaço’


Share/Bookmark
estadão.com.br
Em um vídeo divulgado pelo site Nossa Metrópole, plataforma colaborativa criada pelo diretório municipal do PSDB paulistano, a militante tucana Catarina Rossi, ligada ao PSDB Mulher da capital, critica duramente o ex-governador de São Paulo, José Serra, e defende a manutenção das prévias. “Ele (Serra) está sendo palhaço. Ele está brincando com a gente.”
“Nós somos passionais. Nós lutamos com o coração. Nós brigamos por aquilo que acreditamos que é o PSDB. Ele é que está fazendo a gente de palhaço”, diz Catarina no vídeo, que foi ao ar no dia 17, após encontro do diretório de Indianápolis. “Tem quatro pessoas brigando, trabalhando dia e noite, por um espaço. Porque ele não entrou também por esse espaço? Ele tem todo o direito e, se ele entrar, ele também terá todo o direito. Agora, não é justo, no fim do caminho, ele entrar.”
A indignação da militante tem a ver com a decisão de dirigentes do partido de pressionar o vencedor das prévias eleitorais do PSDB, que será realizada no dia 4 de março, a desistir da disputa e abrir caminho para a candidatura de Serra.
A militante tucana criticou também a postura de membros da bancada tucana na Assembleia Legislativa de São Paulo, que defenderam publicamente a candidatura de Serra. Ao final do vídeo, Catarina ameniza o tom das críticas. “Ele (Serra) tem competência, ele é preparado, ele é um homem digno, mas os outros quatro também são”, concluiu.
Assista ao vídeo abaixo:

21/02/2012

Chávez diz ter novo tumor e será operado nos próximos dias


Share/Bookmark
 O presidente venezuelano Hugo Chávez: nova "lesão"
O presidente venezuelano Hugo Chávez: nova "lesão" (Leo Ramirez / AFP)
O presidente venezuelano, Hugo Chávez, anunciou nesta terça-feira que nos "próximos dias" deverá ser submetido a uma cirurgia para a retirada de uma "lesão" no mesmo lugar onde foi extirpado um tumor cancerígeno em 2011 e negou ter metástase, depois de ser examinado em Cuba.
"No exame em Havana foi detectada uma lesão no mesmo local de onde foi extraído o tumor há quase um ano. É uma lesão pequena de cerca de dois centímetros de diâmetro, nitidamente visível. Isso obriga a extração dessa lesão e nova intervenção cirúrgica", disse Chávez no canal oficial VTV.
Os exames "indicam que não tenho metástase em parte alguma", explicou o presidente venezuelano, de 57 anos, que negou estar morrendo e garantiu que se sente "em boas condições físicas" para "enfrentar esta batalha".
As declarações de Chávez interrompem vários dias de intensos rumores sobre o estado de saúde do presidente venezuelano nas redes sociais.
"Devo discutir com meus companheiros esta noite ou amanhã onde faremos a operação, temos várias possibilidades, acredito que certamente será nos próximos dias", acrescentou.
Chávez, que foi operado de um tumor cancerígeno no dia 20 de junho em Cuba e submetido a quatro sessões de quimioterapia em Havana e Caracas, dizia desde dezembro estar "plenamente recuperado" da enfermidade.
A próxima intervenção cirúrgica "supostamente é menos complicada que a anterior", disse Chávez.
O presidente, no poder desde 1999, buscará um terceiro mandato nas eleições presidenciais de outubro, frente ao candidato único da oposição, Henrique Capriles.

Música censurada pelo PT de Pernambuco


Share/Bookmark

Militares criticam opiniões de ministras


Share/Bookmark
TÂNIA MONTEIRO - Agência Estado
Em sinalização de como os militares da reserva estão digerindo a instalação da Comissão da Verdade, presidentes dos três clubes militares publicaram um manifesto censurando a presidente Dilma Rousseff e atacaram as ministras dos Direitos Humanos, Maria do Rosário, e da Secretaria das Mulheres, Eleonora Menicucci, por supostas críticas dirigidas à caserna.
A carta, embora assinada por oficiais da reserva, traduz a insatisfação de militares da ativa, que são proibidos de se manifestarem. Eles se queixam de Maria do Rosário por supostamente estar questionando a Lei da Anistia e da titular da pasta das mulheres por "críticas exacerbadas aos governos militares".
Os militares reclamam que Dilma, como comandante em chefe das Forças Armadas, deveria ter repreendido suas auxiliares, e não ter aplaudido o discurso de posse da nova ministra das mulheres, endossando suas palavras supostamente contra a categoria. "Os Clubes Militares expressam a preocupação com as manifestações de auxiliares da Presidente sem que ela, como a mandatária maior da nação, venha a público expressar desacordo", diz a nota.
Ao se queixarem da postura da ministra Maria do Rosário, os militares citam que ela deu declarações na qual "mais uma vez asseverava a possibilidade de as partes que se considerassem ofendidas por fatos ocorridos nos governos militares pudessem ingressar com ações na Justiça, buscando a responsabilização criminal de agentes repressores, à semelhança ao que ocorre em países vizinhos".