09/08/2012

Federação diz que vai à Justiça contra lei de cotas. Ou: Dilma vai sancionar uma lei populista e mixuruca, contra os pobres


Share/Bookmark

Pois é… Elio Gaspari, convertido, tardiamente, no novo Marat do jornalismo brasileiro, um verdadeiro “amigo do povo”, dirá, na sua metáfora de hábito, que mistura luta de classes com engenharia civil, que o “andar de cima” começa a ficar inquieto com as conquistas do povo, vindas, desta vez, de modo improvável, pelas mãos da deputada Nice Lobão (PSD-B-MA). Por que essa introdução? Leiam o que informa a VEJA Online, com Agência Estado. Volto em seguida.
*
A Federação Nacional das Escolas Particulares (Fenep) afirmou, nesta quinta-feira, que pretende entrar com uma ação na Justiça para questionar a nova Lei das Cotas para faculdades federais. (ver posts a respeito).
(…)
A presidente da Fenep, Amábile Pacios, disse que a lei desrespeita a igualdade de acesso que deve existir para toda a população. De acordo com Amábile, caso a sanção ocorra, o governo federal vai reconhecer que oferece um ensino público de má qualidade, incapaz de preparar seus alunos para o vestibular. “As escolas particulares deveriam ser uma escolha da família e, no Brasil, é a única opção para os alunos que desejam ser aprovados em vestibulares mais rigorosos, como o das universidades federais. A lei não só desrespeita a igualdade de acesso como facilita a entrada de apenas uma parcela dos estudantes brasileiros”, argumentou Amábile.
A presidente Dilma Rousseff tem 15 dias para sancionar o texto, que também foi rebatido pelos reitores das universidades federais. Eles alegam que a medida fere a autonomia universitária.
VolteiPronto! Como? Associação de escolas particulares? Os fiéis de Aiatoelio sentem aí o cheiro da, como é mesmo?, “demofobia”. Que se danem aqueles que decidiram se lascar para pagar ensino privado porque estavam insatisfeitos com a baixa qualidade do ensino público. Muitos estudantes, atenção!, trabalham durante o dia para poder cursar escolas privadas. Não estão de olho exclusivamente no exame vestibular, não! É que pretendem, de fato, aprender mais do que o estado lhes oferece. A lei é asquerosa, presidente Dilma!
É asquerosa porque não procura qualificar a escola pública para que seus estudantes tenham condições de competir com os outros; não qualifica as escolas públicas para, inclusive, atrair de volta os alunos das escolas particulares. Ao contrário: o estudante terá direito especial simplesmente por pertencer à escola pública que há, com todos os seus defeitos — que passarão, com medidas como essa, à condição de insanáveis.
A universidade não vai fazer milagres. Como demonstram os números, em 10 anos, cresceu de maneira explosiva o número de universitários semianalfabetos — santo Deus! — de 2% para 4%. Nada menos de 34% não são plenamente alfabetizados!!! Há 10 anos, eram 21% (já um escândalo).
O nome disso, senhora Dilma Rousseff, é populismo — vagabundo e mixuruca, como todos os populismos. E, a exemplo de todos, prejudica os pobres. Se a senhora sancionar essa porcaria, estará condenando a escola pública ao lixo eterno, além, obviamente, de produzir brutais injustiças e esmagar a autonomia universitária.
Por Reinaldo Azevedo

Nenhum comentário: