06/02/2012

Aécio diz que apoio de FHC é 'estímulo a uma possível candidatura'


Share/Bookmark

Senador tucano elogiou o ex-presidente, apontado pelo mineiro como 'referência' para a legenda, que o indicou como 'candidato óbvio' para o PSDB em 2014

Marcelo Portela, correpondente de O Estado de S.Paulo
BELO HORIZONTE - O senador Aécio Neves (PSDB-MG) assumiu nesta segunda-feira, 6, que a declaração do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso de que ele é o "candidato óbvio" do partido para a disputa presidencial em 2014 é um "estímulo a uma possível candidatura" para enfrentar o PT. Aécio classificou FHC como um "pensador moderno, contemporâneo" e afirmou que as análises do correligionário "devem ser sempre ouvidas" e são uma "referência" para a legenda, que preteriu o mineiro em favor do ex-governador José Serra, derrotado pela então candidata Dilma Rousseff na corrida presidencial de 2010.
Aécio agradeceu FHC, mas discordou das críticas do ex-presidente ao papel da oposição - Divulgação
Divulgação
Aécio agradeceu FHC, mas discordou das críticas do ex-presidente ao papel da oposição
No entanto, o senador declarou que discorda em relação às críticas feitas pelo ex-presidente aos integrantes da oposição. Em artigo publicado no domingo, 5, apesar de voltar a defender a candidatura de Aécio, FHC afirmou que o ex-governador de Minas Gerais ainda está em "fase de teste" e questionou se o mineiro se arriscaria a dizer "verdades inconvenientes", alfinetando ainda a voz "rouca" ou "sussurrada" da oposição. "Tenho conversado muito com o presidente Fernando Henrique. Suas análises são ou devem ser sempre ouvidas e aprofundadas. Em relação ao papel da oposição, eu vejo essa crítica permanente de que a oposição é frágil, não é vigorosa. Tenho divergência em relação a essa visão", disse.
Segundo Aécio, é "natural" que neste momento o governo se sobressaia no cenário político, mas as irregularidades e a "inépcia" na administração pública vão se encarregar de reduzir a popularidade da presidente e que, com o tempo, "a oposição obviamente vai ter seu papel reconhecido". "Estamos saindo do primeiro ano do mandato da presidente Dilma. É natural que o protagonismo da cena política seja daqueles que venceram as eleições. (Mas) a oposição tem se manifestado com extrema firmeza a respeito de todas essas denúncias de malfeitos que ocorreram dentro do governo", disse.
Ao rebater as declarações de FHC, o senador aproveitou para lembrar vários problemas e irregularidades que marcaram o primeiro ano de governo da presidente, considerado pelo tucano "frágil do ponto de vista gerencial". "O tempo vai mostrar isso. Não podemos ter ilusão de que num primeiro momento de um governo recém-eleito nós vamos ver todas mazelas aparecerem. Mas com o tempo vai ficar muito claro de que o governo do aparelhamento não é bom para o Brasil. O Brasil merecia um governo baseado muito mais na meritocracia do que na filiação partidária", disparou.

Nenhum comentário: