05/11/2011

Supremo blinda políticos e mantém sob sigilo identidade de 152 investigados


Share/Bookmark
FELIPE RECONDO / BRASÍLIA - O Estado de S.Paulo
O Supremo Tribunal Federal (STF) mantém em sigilo a identidade de 152 autoridades suspeitas de cometer crimes. Um procedimento adotado no ano passado como exceção, que visava a proteger as investigações, acabou tornando-se regra e passou a blindar deputados, senadores e ministros de Estado. Levantamento feito pelo Estado em aproximadamente 200 inquéritos mostrou que os nomes dos investigados são ocultados.
Apenas suas iniciais são expressas, mesmo que o processo não tramite em segredo de Justiça, o que torna praticamente impossível descobrir quem está sendo alvo de investigação. O Estado já havia revelado, em dezembro do ano passado, a adoção dessa prática no STF.
O inquérito aberto contra a deputada Jaqueline Roriz (PMN-DF), flagrada recebendo dinheiro do esquema do mensalão do DEM no Distrito Federal, aparece no site do Supremo apenas com as iniciais da parlamentar: JMR (Jaqueline Maria Roriz). Outros seis inquéritos trazem as iniciais L.L.F.F. Só foi possível identificar que o investigado era o senador Lindbergh Farias (PT-RJ) porque outra investigação com a mesma sigla foi levada ao plenário do tribunal recentemente.
Em outros casos, é possível inferir quem é o investigado por meio de uma pesquisa. Sabendo que a investigação foi aberta em um Estado específico, é necessário cruzar as iniciais com todos os nomes de deputados e senadores eleitos por esse mesmo Estado. Por esse procedimento é possível inferir que um inquérito aberto contra L.H.S. em Santa Catarina envolve o senador Luiz Henrique da Silveira (PMDB-SC). Nesse caso, o Estado confirmou que se trata efetivamente do parlamentar e ex-governador catarinense. Mas na maioria das vezes essa pesquisa não é suficiente para saber quem está sob investigação no Supremo.
Proteção. A regra de identificar os investigados no STF apenas pelas iniciais foi baixada pelo presidente do tribunal, ministro Cezar Peluso, no fim do ano passado. A inovação tinha por objetivo proteger investigações que poderiam correr em segredo de Justiça. Esse procedimento está amparado no regimento interno do STF. Não se aplica aos demais tribunais.
Pela regra, o ministro que for sorteado para relatar a investigação analisa se o processo deve ou não correr em segredo de Justiça. Se concluir que não há motivos para o sigilo, as iniciais serão tiradas e o nome completo será publicado no site.


Suspeita no Esporte envolve cúpula do governo do DF


Share/Bookmark
Hoje na FolhaO escândalo que derrubou o ex-ministro do Esporte Orlando Silva envolve alguns dos principais assessores do governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, informa reportagem deFilipe Coutinho e Renato Machado, publicada na Folha deste sábado (íntegra disponível para assinantes do jornal e do UOL, empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha).

Com a saída de Orlando, a crise envolvendo a suspeita de desvio de recursos da pasta agora se concentra na capital federal. Agnelo (2003 a 2006) e Orlando (2006 a 2011) dividiram a titularidade do Esporte nos últimos anos, dentro da cota que o PC do B.


O hoje governador do DF, agora no PT, é investigado pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça) sob a suspeita de que tenha sido iniciado em sua gestão o esquema de desvio de verbas de convênios do Esporte com ONGs.

O seu atual secretário de Governo, Paulo Tadeu, é ligado à Cata-Ventos, que teve convênio de R$ 240 mil reprovado pelo próprio ministério. A entidade foi fundada pelo irmão do secretário, José Rosa Vale da Silva.

OUTRO LADO

Agnelo Queiroz disse desconhecer que a ONG Cata-Ventos tenha convênio reprovado com o Ministério do Esporte.

"Temos certeza de que nenhum dos servidores nomeados para cargos em comissão no governo do Distrito Federal foi responsabilizado por falhas em prestação de contas ou execução de convênios dessa ONG", afirmou, por meio de sua assessoria.

O secretário de governo do Distrito Federal, Paulo Tadeu, disse que não pode ser responsabilizado pela ONG Cata-Ventos, fundada pelo irmão.

Alfonso Cano, líder das Farc, foi morto pelo exército colombiano


Share/Bookmark
Alfonso Cano, em 2001.
Alfonso Cano , em 2001. Reuters / Eliana Aponte

O líder da guerrilha Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), Alfonso Cano, o homem mais procurado da Colômbia, foi morto durante combates com o exército na sexta-feira no sul, disse o presidente colombiano, Juan Manuel Santos, durante um discurso televisionado na noite de sexta-feira para sábado. "Devemosinsistir até que os colombianos podem ter uma solução pacífica país (...) a violência não é o caminho. desmobilização você " , disse o chefe de Estado, indo diretamente para FARC.

Anteriormente, a morte do líder das FARC, uma das guerrilhas na Colômbia ainda estão ativos com o Exército de Libertação Nacional (ELN), foi confirmado pelo governador de Cauca, onde ele foi baleado, em seguida, pelo O ministro da DefesaJuan Carlos Pinzón, minutos antes de o presidente.
SÉRIE golpes
Cano, 63 anos, considerado o "ideólogo" das FARC, cujo nome verdadeiro éGuillermo León Saenz Vargas , é o terceiro líder histórico da guerrilheiros mortos em combate ou morrer da doença desde 2008. Em março de 2008, o homem que fundou as Farc em 1964, Manuel Marulanda , que tinha substituído Cano, foi varrida por um ataque cardíaco. Em setembro de 2010, seu comandante militar, Jorge Briceño , conhecido como "Mono Jojoy", foi morto em um bombardeio. Em 2008 também, as Farc perderam dois importantes membros do Bureau Político: Raul Reyes , morto em um bombardeio no Equador, e Ivan Rios foi assassinado por seu assessor.
Sob o efeito do aumento do exército colombiano ea polícia, as FARC tinha caído para trás em seus redutos tradicionais - a Cordilheira dos Andes, no centro do país e regiões de fronteira - de 17 000 combatentes início dos anos 2000 a 8000 combatentes em 2010, segundo dados oficiais.
No entanto, suas ações se intensificou em 2011, apesar de Alfonso Cano, um homem atarracado, com óculos e uma barba espessa e negra, considerado mais político e "moderada" do que seu antecessor, foi lançado em agosto de 2010 um convite para o diálogo com o Presidente O colombiano Juan Manuel Santos. As Farc haviam sido reorganizadas, limitando suas comunicações ea ênfase em pequenas unidades.
De acordo com Ariel Ávila , especialista no conflito colombiano, no Instituto para o Estudo Corporação Nuevo Arco Iris , intensos combates entre os guerrilheiros no exército por 20 dias no Cauca. Desde quinta-feira, uma dezena de atentados teve lugar na região, disse ele.
O ministro da Defesa disse que as forças terrestres tinham identificado um acampamento onde ele estava instalado antes de abraçar o homem que morreu em combate com o exército na tarde de sexta-feira. Anteriormente responsável pela segurança de Cano, foi capturado e seu companheiro foi morto. O ministro também mostrou uma foto do líder das FARC, a morte, os olhos bem abertos e sem a sua tradicional barba preta.

04/11/2011

Uma nova investigação na Justiça Federal envolve Agnelo Queiroz em desvios no Ministério do Esporte


Share/Bookmark
Adinâmica dos escândalos em Brasília ensina que, quando o acusado deixa o governo, a
situação arrefece. O caso do Ministério do Esporte contraria essa lógica. Orlando Silva deixou o cargo, mas a crise que chegou a seu antecessor, o governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), está longe do fim. Nos próximos dias, a Justiça Federal receberá um processo em que Agnelo é acusado de receber dinheiro desviado do Esporte para uma organização não governamental – prática denunciada em outros episódios envolvendo a pasta. O caso expõe ainda mais o atual governador, depois de ÉPOCA ter revelado que ele ajudou o policial militar e ongueiro João Dias a montar uma farsa na defesa de um processo sobre desvios de R$ 2 milhões. Agnelo nega a proximidade com Dias, mas foi desmentido pelo conteúdo de gravações telefônicas.
BATEU, LEVOU O governador Agnelo Queiroz transferiu um dos delegados que o investigaram para um posto de menor prestígio  (Foto: Ronaldo de Oliveira/CB/D.A Press)
No dia 27 de outubro, o juiz Omar Dantas Lima, de Brasília, determinou o envio do inquérito 018/2008 à esfera federal. Segundo a polícia, o presidente do Instituto Novo Horizonte, Luiz Carlos Medeiros, desviou R$ 3,4 milhões recebidos dos ministérios do Esporte e da Ciência e Tecnologia. De acordo com a testemunha Michael Vieira da Silva, Agnelo recebeu parte dos recursos desviados. Michael diz ter presenciado conversas telefônicas em que Agnelo pedia dinheiro a Medeiros. Diz ainda que Medeiros doou computadores e ajudou a financiar a campanha de Agnelo ao Senado em 2006, ao promover festas com garrafas de champanhe de R$ 300.
Um dono de ONG, acusado de desviar dinheiro público, promoveu festas para a campanha de Agnelo 
“Tal contribuição foi decisiva para que Agnelo repassasse o convênio do programa Segundo Tempo para a ONG”, diz Michael. Medeiros disse à polícia que Agnelo não teve participação na liberação dos recursos para sua entidade. Em nota, Agnelo nega ter recebido dinheiro de Medeiros e diz que não facilitou o convênio. Afirma apenas que Medeiros apoiou sua campanha.
Apesar do testemunho, o delegado Fábio de Farias não citou Agnelo em seu relatório. O promotor Mozar de Souza, porém, discordou e encaminhou a apuração à Justiça Federal. No governo Agnelo, o delegado Farias ganhou uma diretoria da Polícia Civil. O delegado Giancarlos Zuliani, que mencionou o envolvimento de Agnelo com as ONGs de Dias, passou a um posto de menor prestígio. Em meio aos diferentes interesses em jogo no Distrito Federal, a guerra de cargos continua. Na semana passada, Agnelo exonerou 68 delegados da Polícia Civil após a TV Globo divulgar áudios que revelam sua proximidade com Dias.

Lula brincou que queria ficar doente para ser atendido na UPA de Paulista


Share/Bookmark

Mensaleiros podem ganhar anistia - Lucia Hippolito


Share/Bookmark

Oposição reage à proposta de anistiar réus do mensalão


Share/Bookmark

Comissão da Câmara incluiu na lista de votação projeto que devolve direitos políticos a José Dirceu, Pedro Corrêa e Roberto Jefferson; após polêmica, proposta foi retirada da pauta de votação

O Estado de S.Paulo
BRASÍLIA - Lideranças de partidos de oposição e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) reagiram nesta sexta-feira, 4, com indignação à proposta de pôr em pauta na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara projeto de lei que anistia os parlamentares cassados no escândalo do mensalão. Diante da polêmica, o presidente da CCJ, deputado João Paulo Cunha (PT-SP), voltou atrás e retirou a proposta da pauta de votação da comissão.
"Ele (projeto) é esdrúxulo e não deveria constar da pauta", afirmou o presidente nacional do PPS, deputado Roberto Freire (SP), que é integrante da CCJ e classificou o projeto de anistia como "absurdo". O projeto de lei, que entrou quase camuflado na pauta da CCJ (apensado a outro projeto), como revelou nesta sexta-feira o jornal O Estado de S. Paulo, beneficia os ex-deputados José Dirceu (PT-SP), Roberto Jefferson (PTB-RJ) e Pedro Corrêa (PP-PE). Os três foram cassados e são réus no processo do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o mensalão.
Em nota divulgada pelo PPS, Freire disse que "a Câmara já não consegue punir aqueles que atentam contra a ética, os corruptos, e agora, pior: quer anistiar os que, num determinado momento, a Câmara cumpriu com seu dever e cassou, caso concreto de José Dirceu". "Isto é uma atitude de quem não tem nenhum compromisso com a democracia e tenta desmoralizar ainda mais as instituições republicanas", avaliou.
O líder do DEM no Senado chamou de "vergonhosa" a tentativa de anistia. "É coisa de cara de pau, supera tudo o que podia se esperar em matéria de agressão à sociedade", disse. Demóstenes dá como certo que, se o projeto for aprovado na Câmara, "certamente será sepultado no Senado". `
Para o líder do PSOL, Chico Alencar (RJ) a artimanha de tentar votar o projeto de anistia aos mensaleiros é "indecorosa" e "inaceitável". "É comum no Legislativo tentar dar uma de `joão sem braço'' e tentar passar um projeto sem que ninguém perceba", disse Alencar. Ele aproveitou para criticar a demora do Supremo em julgar os processos dos acusados de participar do esquema do mensalão. "Até o julgamento definitivo pelo Supremo, não duvido que se tente aprovar alguma coisa", observou.
Mais cauteloso, o líder do PSDB, deputado Duarte Nogueira (SP), preferiu não comentar a proposta de pôr em votação o projeto de anistia dos mensaleiros. "Para mim o assunto está superado porque o João Paulo Cunha retirou a proposta da pauta", argumentou o tucano.


UNIDOS CONTRA A CORRUPÇÃO - 15/11/2011


Share/Bookmark

Lula, Luana e o besteirol


Share/Bookmark
Luana Piovani conseguiu virar nesta semana notícia nacional duas vezes (e com muito destaque) por causa de seus comentários na internet.

Primeiro, sugeriu que Lula fosse tratar seu câncer no SUS; depois, revelou ao Brasil que o padre Antonio Vieira mora em "Sampa". As duas afirmações têm algo em comum: o besteirol.

Luana simboliza como a internet, tão democrática, é um microfone aberto ao besteirol. É a regra do jogo da democracia digital.

O caso do besteirol contra Lula --o pedido para ele se tratar no SUS-- ganhou milhares de adeptos na internet, entre os quais Luana Piovani (uma excelente atriz, diga-se).

Pareciam que tinha feito uma brilhante sacada política. Mas era apenas uma piada de mau gosto. E teve gente que levou a sério.

Muita gente sensata, a começar da oposição (Aécio Neves e Fernando Henrique Cardoso, por exemplo) sem medo das reações dos e-leitores, preferiu seguir o caminho educativo e atacar o besteirol.

Nesse choque, acabou vencendo o bom senso. No final, apesar de a internet ser um canal para o ressentimento, ódios, preconceito e ignorância, temos uma sociedade mais crítica, informada e educada.

Gilberto Dimenstein
Gilberto Dimenstein, 54, integra o Conselho Editorial da Folha e vive nos Estados Unidos, onde foi convidado para desenvolver em Harvard projeto de comunicação para a cidadania.

STF julga validade do Ficha Limpa para eleições 2012


Share/Bookmark
AE - Agência Estado
O Supremo Tribunal Federal (STF) deverá julgar na próxima quarta-feira ações que definirão se a Lei da Ficha Limpa terá ou não validade na eleição municipal de 2012. No início deste ano, o STF concluiu que a regra aprovada com o intuito de moralizar a política brasileira não poderia ter impedido a candidatura de políticos punidos, por exemplo, com cassação e condenação. De acordo com os ministros, uma norma desse tipo teria de ser aprovada com pelo menos um ano de antecedência à eleição.
Agora, o Supremo analisará aspectos específicos da lei, como o que barra a candidatura de políticos condenados por órgãos colegiados, mas que ainda têm chances de recorrer. Em tese, o julgamento poderá terminar empatado porque o tribunal funciona atualmente com 10 ministros. O 11º. integrante, que sucederá a ministra aposentada Ellen Gracie Northfleet, ainda não foi indicado pela presidente Dilma Rousseff. A expectativa é a de que a presidente escolha uma mulher para ocupar a cadeira que está vaga desde agosto. 

Ministra diz que Lula quer participar da campanha de 2012


Share/Bookmark

Segundo a ministra do Planejamento, Miriam Belchior, que visitou o ex-presidente nesta sexta-feira, o assunto principal da conversa foram os quadros eleitorais em São Paulo e no ABC

Gustavo Uribe, da Agência Estado
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem a expectativa de participar da campanha para as eleições municipais de 2012 e sinalizou nesta sexta-feira, 4, que pretende, nas próximas semanas, conversar com os pré-candidatos do PT para selar uma unidade partidária que evite a realização de uma consulta primária em São Paulo. Lula recebeu no início da tarde a visita da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, e do prefeito de São Bernardo do Campo, Luiz Marinho (PT), em sua residência, no ABC paulista. Segundo a ministra, em quase meia hora de conversa, o assunto principal foram os quadros eleitorais em São Paulo e no ABC. "Uma boa parte do tempo nós ficamos discutindo o quadro político tanto em São Paulo como no Grande ABC", afirmou.
Lula recebeu a visita do prefeito de São Bernardo, Luiz Marinho, e da ministra Miriam Belchior - Ayrton Vignola/AE - 04/11/2011
Ayrton Vignola/AE - 04/11/2011
Lula recebeu a visita do prefeito de São Bernardo, Luiz Marinho, e da ministra Miriam Belchior
De acordo com Miriam, "com certeza" o ex-presidente tem a intenção de atuar pelos candidatos do PT nas eleições municipais do ano que vem. "Se ele esta semana já está falando que na semana que vem estará no Instituto Lula, imagine no ano que vem, quando ele já tiver terminado o tratamento", afirmou. "Eu não tenho dúvidas de que ele vai estar a toda", acrescentou. O prefeito de São Bernardo do Campo emendou que a disposição de Lula em voltar à ativa é "integral" e, segundo ele, à medida que forem superadas as etapas do tratamento contra o câncer, ele voltará às articulações políticas.
No encontro, o ex-presidente ainda indicou que pretende dialogar com os outros pré-candidatos petistas na capital paulista em prol da candidatura do ministro da Educação, Fernando Haddad. "O ex-presidente tem participado deste processo e deve voltar a atuar assim que estiver em condições para ajudar a selar essa unidade partidária", disse Marinho. "A unidade partidária em São Paulo é fundamental para essa disputa", completou.
Lula também comentou durante a visita sobre a importância da decisão da senadora Marta Suplicy, que na quinta-feira, 3, anunciou oficialmente a sua saída do processo para a sucessão na Prefeitura de São Paulo. Ele, contudo, não teria dito no encontro que Marta deveria ter apoiado o nome de Haddad para a disputa municipal. "Ele não fez nenhum comentário sobre isso", disse Miriam Belchior. A ministra informou ainda que o ex-presidente pretende, na próxima semana, receber a senadora no Instituto Lula. "Ele comentou da importância da decisão dela, mas disse que eles vão conversar melhor."
Desenvolvimento humano. No encontro, o ex-presidente voltou a reclamar do resultado da última edição do estudo do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), que deixou o Brasil em 84º lugar no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). O secretário-geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, afirmou na quinta-feira que Lula ficou "iradíssimo" com o desempenho do País. Segundo Luiz Marinho, o ex-presidente avaliou como "absurdo" o relatório e considerou que muitos dos dados estão defasados. "Não é possível que o Brasil esteja pior que alguns países apresentados", teria dito Lula, de acordo com o prefeito.
Marinho disse que a pesquisa precisa passar por uma atualização urgente, uma vez que utiliza dados antigos. "Ela coloca a imagem do País em uma situação que não é a realidade." O ex-presidente também teria pedido à ministra para que ela não descuide nenhum minuto do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), sob responsabilidade do Ministério do Planejamento.
A ministra afirmou ainda que Lula está "ótimo" e que sua voz voltou ao normal, não apresentando mais tanta rouquidão. "Ele está ótimo. Ele falou cinco minutos do tratamento e todo o resto de política e do Corinthians", disse. "E eu, pelo menos, que estou bastante atribulada em Brasília, saio cheio de energia com a energia dele", contou. Miriam e Marinho chegaram à residência de Lula por volta das 14 horas. Pela manhã, contudo, já havia movimento no edifício onde reside o ex-presidente, no centro de São Bernardo do Campo.

03/11/2011

Chávez diz que Lula propôs cúpula para todos que venceram o câncer


Share/Bookmark
DA EFE, EM CARACAS

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva propôs nesta quinta-feira que Hugo Chávez organize uma cúpula que reúna aqueles que venceram o câncer, segundo informou o próprio presidente venezuelano.

"Lula me disse esta manhã: 'Em pouco tempo, vamos fazer a cúpula dos que venceram o câncer'. E eu respondi: 'Diga uma data para que a façamos logo'", comentou Chávez.

O ex-presidente está se tratando de um câncer na laringe, diagnosticado no último sábado (29), e recebeu do governante venezuelano uma mensagem de confiança em sua recuperação baseada em sua própria experiência com a doença.

"Estamos preocupados, mas muito confiantes também e seguros que Lula também vai superar esta doença cruel que nos atingiu, que nos surpreendeu", declarou Chávez, acrescentando que o ex-presidente também lhe disse: "Há muitas razões para viver e viveremos".

O líder venezuelano, que anunciou no dia 30 de junho ter superado um tumor cancerígeno, lembrou que já terminou os ciclos de quimioterapia que lhe foram aplicados para evitar que células cancerosas ressurgissem em seu organismo.

"Eu continuo com muita disciplina e rigor para recuperar a forma física, as condições físicas plenas para poder assumir de novo a vanguarda", afirmou.

Chávez, no poder desde 1999, prometeu a seus seguidores que ganhará as eleições em outubro de 2012 e governará até 2019 "para seguir construindo a pátria justa".


Namorada diz que viu Dirceu chorar pela 1ª vez com câncer de Lula


Share/Bookmark
Hoje na FolhaA namorada de José Dirceu, Eva, disse a amigos que, pela primeira vez em quase uma década, viu o namorado chorar, informa a coluna deMônica Bergamo, publicada na Folha desta quinta-feira (a íntegra está disponível para assinantes do jornal e do UOL, empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha).

Jorge Araújo - 18.jun.2011/Folhapress
Namorada diz que viu Dirceu chorar pela 1ª vez com a notícia
Namorada diz que viu Dirceu chorar pela 1ª vez com a notícia

O casal, junto com mais 25 amigos, passava o dia das bruxas (31 de outubro) na pousada Triboju, em Fernando de Noronha, para comemorar o aniversário dela quando souberam do câncer do ex-presidente Lula, amigo de Dirceu.

Lula iniciou na última segunda-feira a quimioterapia contra o tumor na laringe.

Leia mais na edição da Folha desta quinta-feira, que já está nas bancas.

Governo do DF exonera cúpula da Polícia Civil


Share/Bookmark
O governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), exonerou nesta quinta-feira 43 delegados-chefes e sete diretores de departamento da Polícia Civil.

Os atos foram publicados no "Diário Oficial" do Distrito Federal.


O diário oficial também registrou a mudança na direção-geral da polícia. Saiu a delegada Mailine Alvarenga, que será substituída pelo delegado Onofre José de Moraes.

Segundo o presidente do Sindicato dos Policiais Civis do DF, Ciro José de Freitas, as mudanças são meramente administrativas.

Ele não vê relação com o vazamento de áudios e informações da Operação Shaolin, que investigou desvios de verbas no programa Segundo Tempo, do Ministério do Esporte.

Em alguns dos áudios, Agnelo foi flagrado conversando com o policial João Dias Ferreira, delator do esquema e um dos presos no operação da Polícia Civil, acusado de desvios de verbas públicas.

Um dos áudios, divulgados pela TV Globo, mostra João Dias Ferreira pedindo ajuda para Agnelo para resolver pendências na prestação de contas com o Ministério do Esporte. Os diálogos foram gravados com autorização judicial entre fevereiro e março de 2010.

"E aí, doutor, como está o sr? Beleza?", diz Ferreira a Agnelo, que responde: "O meu mestre, tudo bem?".

Ferreira, então, diz que precisa apresentar sua defesa até sexta-feira. "Sexta-feira eu tenho que apresentar o negócio lé, entendeu?"

Segundo o presidente do Sindicato dos Policiais Civis do DF, Ciro José de Freitas, as mudanças são meramente administrativas. Ele não vê relação com o vazamento de áudios e informações .

O governo do Distrito Federal afirma que as mudanças são "ajustes naturais" do governo.

Em Cannes, Dilma defende ‘bolsa família’ global


Share/Bookmark
Presidente sugere que medida, uma antiga proposta da OIT, seria um caminho possível para o combate às crises econômicas

A presidente Dilma Rousseff defendeu nesta quinta-feira, 3, durante a reunião de cúpula do G20 em Cannes, na França, uma antiga proposta da OIT (Organização Internacional do Trabalho) para estabelecer uma espécie de programa de renda mínima global, em moldes semelhantes ao programa brasileiro do Bolsa Família.

Dilma disse que "o Brasil tem uma experiência exitosa de enfrentar a crise com inclusão social e geração de empregos" e sugeriu que esse seria um caminho possível para o combate às crises econômicas. "A inclusão de 40 milhões de pessoas na classe média foi não somente um impositivo moral, mas também uma questão de eficiência econômica", afirmou.

Segundo ela, é por essa razão que o país "apoia a tese da OIT de que um piso único de renda global não é filantropia, mas é uma rede de proteção mundial fundamental para enfrentar a crise e que tem um efeito inequívoco contra a crise".

De acordo com a OIT, a proposta oficialmente chamada de Piso de Poteção Social "prevê que cada país deveria incluir na oferta de serviços básicos de saúde, independentemente de contribuição, o pagamento de um benefício básico para famílias com crianças - a exemplo do que o governo brasileiro garante com o pagamento do Bolsa Família, benefícios assistenciais para pobres e desempregados e a manutenção das políticas de garantia de renda para idosos, viúvos, órfãos e inválidos".

Taxa sobre operações financeiras 

A proposta da OIT já havia sido endossada pelo presidente francês, Nicolas Sarkozy, anfitrião do encontro, no início do ano.

A presidente brasileira disse ainda em seu discurso que apoia outra proposta defendida pela França, da criação de uma taxa global sobre operações financeiras para bancar programas sociais, desde que ela venha em conjunto com a aprovação da proposta do piso global.

"O Brasil não se opõe a uma taxa financeira mundial se isso (a proposta da OIT) for consenso entre os países a favor da ampliação dos investimentos sociais", afirmou Dilma.

Em um pronunciamento após o encontro, Sarkozy, na condição de presidente de turno do G20, se disse animado com o apoio declarado à proposta da taxa financeira global e citou especificamente os apoios manifestados por Dilma e pela presidente da Argentina, Cristina Kirchner, durante a reunião.
BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

02/11/2011

Por escândalos, Dilma perde seis posições na lista da revista 'Forbes'


Share/Bookmark

Única brasileira de 70 personalidades mundiais presentes no ranking, presidente aparece como a 22ª mais poderosa; 'rebaixamento' foi atribuído às sucessivas demissões de ministros do governo


Dilma Rousseff é a 22ª personalidade mais poderosa do mundo, indica o ranking realizado anualmente pela revista norte-americana Forbes. A presidente perdeu seis posições em relação à lista do ano passado, quando figurava na 16ª posição. Na lista divulgada nesta quarta-feira, 2, pela Forbes, Dilma é a única brasileira de 70 personalidades mundiais presentes no ranking. Em agosto, Dilma foi apontada em outra lista da revista como aterceira mulher mais influente do mundo.
 - Reprodução
Reprodução
O 'rebaixamento' da presidente na lista daForbes foi atribuído pela revista aos sucessivos escândalos de corrupção que marcaram os primeiros dez meses de seu governo. "Rousseff gastou seu primeiro ano de mandato fazendo uma faxina em casa, com a demissão de cinco ministros e dúzias de funcionários acusados de corrupção", indica a revista.

O presidente dos Estados Unidos Barack Obama voltou a ocupar o 1º lugar e é seguido de Vladimir Putin, primeiro-ministro russo, e do presidente chinês Hu Jintao. No ranking anterior, Hu Jintao figurava como pessoa mais poderosa do mundo.

Recursos financeiros controlados pelas personalidades, potencial de influência e aptidão a exercer o seu poder para mudar práticas globais são os requisitos que a revista considera para a eleição.

Essa não é primeira vez que Dilma figura entre os rankings da revista. Em  agosto, Dilma ocupava o terceiro lugar da lista das mulheres mais poderosas, atrás somente da chanceler da Alemanha, Angela Merkel, e da secretária de Estado americana, Hillary Clinton. No ranking de 2010, a presidente eleita foi considerada a 16ª pessoa mais poderosa do mundoem uma lista de 68 personalidades. Ainda ministra do governo Luiz Inácio Lula da Silva,Dilma ocupava a 95ª posição, atrás da modelo Gisele Bündchen (a brasileira melhor colocada então).

Grã-Bretanha estuda ataque ao Irã, diz 'Guardian'


Share/Bookmark

Segundo o jornal britânico, país espera que EUA liderem ação contra programa nuclear iraniano e discute locais estratégicos para a operação

Usina nuclear iraniana
Usina nuclear iraniana: os americanos temem que o programa de enriquecimento de urânio iraniano seja, na verdade, um projeto secreto para desenvolvimento de armas nucleares. (AFP)
Seguindo Israel, que nesta manhã discute internamente um possível ataque às centrais nucleares iranianas, o Exército da Grã-Bretanha começa a se preparar para participar de uma ação militar contra o país islâmico. A informação foi divulgada nesta quarta-feira pelo jornal britânico The Guardian.
Segundo o veículo, o Ministério de Defesa britânico acredita que, em breve, os Estados Unidos podem dar início a um ataque aéreo a centrais nucleares iranianas. Os americanos temem que o programa de enriquecimento de urânio iraniano seja, na verdade, um projeto secreto para desenvolvimento de armas nucleares. Funcionários do governo da Grã-Bretanha informaram ao jornal que seu país pretende ajudar os americanos na missão – e já está com a mão na massa.
Militares britânicos já consideram quais seriam as melhores posições em que poderiam instalar seus submarinos e navios nos próximos meses. A Grã-Bretanha também daria carta branca para que os Estados Unidos usassem bases militares em Diego Garcia, seu território no Oceano Índico.
As fontes do Guardian garantiram que o presidente americano Barack Obama não gostaria iniciar uma campanha militar antes das eleições de 2012. Contudo, a agressividade da postura iraniana e novas informações de inteligência que serão divulgadas na semana que vem podem antecipar o conflito.