16/12/2011

Enfermeira mata cachorro Yorkshire na pancada


Share/Bookmark



Famosos se revoltam com caso do cachorro espancado em Goiás

16 de dezembro de 20110

* Por Bárbara Nunes
Vários famosos se manifestaram no Twitter depois de assistir ao triste vídeo que mostra uma mulher espancando um cachorro da raça Yorkshire na frente de uma criança. As imagens foram feitas por uma pessoa que não se identificou, mandou uma cópia para a polícia e colocou o vídeo no youtube. As redes sociais bombaram e, indignados, os internautas pedem a prisão da "assassina", já que o filhote morreu após as agressões. O caso aconteceu em Goiás e está sendo investigado pela a Polícia Civil de Formosa.
Bom, no meu caso foi realmente um choque. Como que alguém tem coragem? É muito sangue frio. Fiquei mais chocada ainda ao saber que o delegado disse que se não for comprovado que a louca bate na criança também, ela só pagará, no máximo, um ano e meio de cestas básicas...
Veja o depoimento das celebridades e subcelebridades também.
Guilhermina Guinle: "Vamos assinar a Petição PENA MÁXIMA DE CRIME DE MAUS TRATOS PARA A ENFERMEIRA QUE MATOU O YORKSHIRE".

Rafa Cortez: 
"Vi agora o vídeo em que a enfermeira mata o cachorro a pancadas. Como alguém filma uma coisa dessas sem interferir? E como uma mulher dessas faz isso?".

Julia Faria:
 "Chocada com a mulher espancando a cachorrinha... Cruel... Ainda não tinha visto... Meu Deus do céu... Tem que matar essa monstra... Surreal... Onde vamos parar com tanta maldade... Sei não".
César Menotti: "Estou com estômago embrulhando por ter visto aquela cena do cachorro sendo espancado. Temos que denunciar. Mas de nada adianta ficar aqui no twitter xingando e não ter nenhuma ação. Criticar é fácil, difícil é doar tempo e dinheiro".
Letícia  Birkheuer: "Absurdo a enfermeira que matou a pauladas o yorkshire em casa! Essa mulher tem que ser linchada com pedras. Fim da crueldade contra animais! Esses monstros merecem ser mortos a paulada na cadeia! Matem a desgraçada, mas bem devagar, pra ela sofrer cada minuto. Estou enojada, furiosa, triste, abalada com a história da cachorrinha que morreu. Quero justiça!".
Juju Salimeni: "Estou abalada demais com o caso do monstro que espancou o cachorrinho. Não assisti o vídeo pra não sofrer mais, mas vi sem querer na TV. Sem palavras. Já chorei, já fiquei revoltada, angustiada... Mas a justiça já esta sendo feita e ela vai pagar. Deus vê tudo".

_______________________________________________________________________________

Solange Spigliatti e Edevaldo Figueiredo da Silva, do estadão.com.br
SÃO PAULO - A Polícia Civil do município de Formosa em Goiás instaurou um inquérito para investigar uma denúncia de maus-tratos contra um cachorro da raça Yorkshire, praticados por sua dona, uma enfermeira de 22 anos.
As agressões cometidas contra o animal foram feitas em frente a uma criança que supostamente seria sua filha. As cenas de maus-tratos foram gravadas e divulgadas no YouTube.
O delegado da 1° DP de Formosa, Carlos Firmino, ouviu um depoimento informal da mulher, que tentou justificar os maus-tratos dizendo que o cachorro dava muito trabalho. "Ele era praticamente um monstro", disse a agressora ao delegado.
Segundo Firmino, a mulher não cometeu apenas crime contra o animal, houve também crime contra a filha, que viu tudo. "Se fosse somente agressão contra o cão, o crime previsto seria agressão contra animal doméstico ou silvestre, com pena prevista de um ano, no máximo um ano e meio, caso haja morte do animal. Entretanto, estamos querendo comprovar que há o constrangimento da criança, crime previsto no estatuto da criança e adolescente".
Com isso, ela poderá ser condenada não só ao pagamento em cesta básica, mas também a prisão de até três anos e meio.
Repercussão. A atitude cometida pela enfermeira já virou comoção entre os internautas no Facebook e Twitter que chegaram até a criar uma petição pública na rede de computadores pedindo pena máxima contra a agressora.
Em sua página no Twitter, a senadora Heloisa Helena também se mostrou consternada e disse que procedimentos legais já foram tomados pelo Ministério Público e pela Polícia Civil.

Nenhum comentário: